17/11/2023 09:53:00

Aeronave parada custa caro





https://aeromagazine.uol.com.br/
Cuidado com o bolso
Ao contrário do que muitos imaginam, quanto mais se usa um avião ou um helicóptero, mais barata se torna a hora de voo. Já a aeronave parada custa caro.
Operadores da aviação de negócios são obrigados a garantir a aeronavegabilidade de sua aeronave por força regulatória - Dassault Aviation

Proprietários e operadores de aeronaves de negócios podem ter a falsa impressão de que, em busca de uma redução de custos, voar menos pode ser uma boa escolha. Não, não é. Ponto.

Parece contraditório, mas, quando uma redução de despesas é necessária em qualquer segmento empresarial, cuja operação já engloba aeronaves em seu dia a dia, a diminuição de voos é uma resposta que parece ser bastante simples, porém um tanto ingênua.

Em um primeiro momento, podemos até pensar que voar menos uma aeronave qualquer não irá gerar despesas com combustíveis, tarifas aeronáuticas ou gastos inerentes ao voo, como atendimentos em hangares e estadia da tripulação.

Porém, observando a matriz de despesas de uma aeronave de maneira global, esses dispêndios representam algo em torno de 30% do custo total de uma operação aeronáutica, sendo que o restante, em torno de 70%, ocorrerá com o operador voando ou não.

Lapso temporal

A justificativa disso é de fácil compreensão. Sob o aspecto aeronáutico, todos temos um inimigo que é invencível chamado “lapso temporal”, ou simplesmente tempo. Ele joga diretamente contra as aeronaves se pensarmos que existem manutenções com vencimento calendário, tendo a aeronave voado muito ou simplesmente nada.  

Como exemplo, imagine uma aeronave que tenha sua revisão geral a cada doze anos ou 2.200 horas e o custo desse serviço seja de 500 mil dólares. Se o operador tiver voado as 2.200 horas em exatos doze anos, o custo dessa revisão por hora de voo pode ser diluído e será de 227,27 dólares por hora. Já se o operador “economizou” nas horas voadas e chegou aos doze anos com apenas metade dessas horas voadas, 1.100 horas, seu custo por hora será o dobro e chegará a 454,54 dólares.

O exemplo se mostra mais evidente para aqueles operadores da aviação de negócios, que já são obrigados a garantir a aeronavegabilidade de sua aeronave por força regulatória e, todos os anos, sem exceção, cumprem uma inspeção anual chamada atualmente no Brasil de Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA), tendo voado ou não durante o período.

Junto com a CVA, outras manutenções serão efetuadas, tanto por vencimento em horas voadas ou tempo calendárico, trazendo a verdade dos custos, que serão diretamente proporcionais às horas voadas. Cada aeronave tem seu próprio programa de manutenção, mas existem intervenções mensais, trimestrais, semestrais, anuais, bienais e seguem até dez, vinte anos para frente.

Empresas aéreas 

Companhias aéreas são um ótimo exemplo de que, quanto mais se voa, mais barata fica sua operação e aeronave parada no chão é prejuízo na certa. Ainda sob a ótica financeira, temos de levar em consideração o custo de capital de uma aeronave que também é uma despesa.

Muitos operadores esquecem de levar isso em consideração, pois as aeronaves já estão compradas e incorporadas ao seu negócio, porém, não se pode esquecer que aeronaves possuem um alto valor monetário e o capital investido nesse ativo também custa. 

Logo, com essa constatação, temos que o custo financeiro de uma aeronave também deve ser diluído nas horas voadas e no usufruto desse patrimônio. Melhor ainda pensar que o uso de uma aeronave para a execução dos seus negócios pode gerar receitas e produtividade, zerando ou até ultrapassando os custos puros e simples do voo. 

Como já dito diversas vezes aqui mesmo nesta revista, a aviação de negócios é um vetor de desenvolvimento, leva crescimento para áreas não alcançadas pela aviação comercial e distribui riquezas para todo o seu entorno.

Vide o exemplo amplamente divulgado do agronegócio, que gera mais de 31% de todo o produto interno bruto brasileiro e é amplamente atendido por aeronaves de negócios de todos os tipos e modelos, jatos, turbo-hélices, aviões a pistão e helicópteros.

Minério e eletricidade

O exemplo vindo do campo deve ser observado, entendido e aplicado também a outros negócios. A mineradora Vale faz uso ostensivo de aeronaves para o desenvolvimento dos seus negócios e possui uma verdadeira companhia aérea operada sob regras de operação privada.

Não fosse isso seria impossível a empresa garantir o título de maior exportadora do Brasil com jazidas de ferro no Pará e Minas Gerais, escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e outras localidades espalhadas pelo Brasil e também bases espalhadas pelo mundo, gerando grande riqueza e trazendo desenvolvimento para nosso país. 

As companhias geradoras e distribuidoras de energia elétrica também fazem vasto uso da aviação de negócios para garantir o atendimento dos consumidores neste ativo de fundamental importância a todos que é a eletricidade. Todos esses segmentos da economia têm uma coisa em comum que é a alta necessidade de capital para garantia de seus negócios e todos sabem do custo do dinheiro.  

O operador aeronáutico deve tomar como exemplo esses segmentos da economia, que possuem especialistas em finanças em seus quadros e controles orçamentários bastante rigorosos, além de uma governança corporativa analisada com lupa pelos acionistas.

Certamente, se o custo financeiro de se possuir uma aeronave (para além dos custos diretos de um voo) não fizesse sentido, esses ativos já teriam sido desmobilizados ou nem se cogitaria a sua aquisição e implantação.

Questões técnicas

Oficina de avião
Aeronaves foram concebidas para que seus componentes se mantenham em funcionamento constante, reduzindo assim os custos de manutenção

Até aqui falamos apenas dos custos de manutenção e financeiro e como isso impacta as operações aéreas em caso de pouco uso de uma aeronave majorando o custo da hora voada. Não podemos esquecer de mencionar o aspecto técnico e os impactos de uma aeronave parada na sua manutenção e proficiência dos tripulantes.

Poucos operadores se dão conta de que o tempo calendárico não joga somente contra a manutenção propriamente dita, mas também é um aspecto importante de sua correta preservação.

Aeronaves foram concebidas para que seus componentes se mantenham em funcionamento, evitando corrosões, ressecamentos e mal funcionamento por pouco uso. Os manuais de manutenção descrevem claramente que aeronaves paradas por longos períodos de tempo devem ser mantidas preservadas e isso também gera despesas extras de manutenção com substituição de fluídos, óleos especiais e outros itens para que não ocorra o perecimento de componentes.

Vide os exemplos de “estacionamentos de aeronaves” em desertos dos Estados Unidos com centenas de aeronaves estocadas ou aguardando para retorno ao serviço. Os equipamentos que estão lá foram preservados em uma condição atmosférica seca do deserto, com a substituição de óleos dos motores e fluídos dos sistemas, instalação de capas que garantem o fechamento quase que hermético das entradas e saídas dos motores. Mas essas intervenções não são garantia de que outros componentes fiquem íntegros com o passar do tempo. 

Muitas peças em aeronaves são elastômeros, que nada mais são do que uma espécie de borracha de alta dureza e resistência, mas que está sujeita a atuação do tempo. Ou seja, por mais que seja possível “estocar” uma aeronave, ainda assim, o operador estará sujeito a quebras e falhas de componentes, fortalecendo ainda mais a ideia de que aeronave parada pode, sim, custar muito caro.

Pilotos parados

Por fim, quanto aos pilotos, a baixa densidade de voos os torna menos proficientes em suas funções, além de não conseguir manter a exigência mínima regulamentar das autoridades aeronáuticas de pousos no período diurno, noturno e operações de voo por instrumentos dentro dos últimos 90 dias a contar de sua última operação.

Isso por si exigirá que o operador permita que os pilotos efetuem voos para a manutenção da proficiência exigida em lei ou contrate treinamentos frequentes para que essas determinações legais possam ser cumpridas ou correm o risco de serem multados, tanto piloto ou operadores além de uma possível exposição desnecessária a risco. 

Caso ocorra algum sinistro sem que a proficiência regulamentar dos pilotos seja observada, o operador poderá incorrer em quebra das condições de contratação de um seguro aeronáutico e não ter o seu dano coberto.

Em suma, aeronave parada tem capacidade de gerar tantas ou mais despesas do que uma aeronave voando, além da exposição a um risco desnecessário e o operador pode ainda ter certeza de que não perderá seu maior ativo que é o tempo perdido.

Por Rodrigo Duarte
Publicado em 17/11/2023, às 13h00



Comentários

Não Existem Comentarios

Ponte de embarque desaba nos EUA e quase arranca porta de Airbus A321neo estacionado
https://aeroin.net/Carlos FerreiraManaging Director - MBA em…
Rio Grande do Sul possui apenas um aeroporto funcionando normalmente
https://aeromagazine.uol.com.br/Por Marcel CardosoPublicado…
Museu da TAM será reaberto em novo endereço
https://aeromagazine.uol.com.br/Após quase 10 anos o Museu da…